Quinta-feira, 8 de Maio de 2008

A OUTRA FACE DA CHINA

No oitavo dia, do oitavo mês, do ano terminado em 8 – dia 8 de Agosto de 2008 – exactamente às 08:08:08 da noite, dar-se-á início aos Jogos Olímpicos em Pequim. O confucionismo e as religiões populares chinesas acreditam que fazer-se coincidir o dia e a hora é uma forma de atrair a sorte.

 

De facto, para além das reivindicações políticas tibetanas, estes Jogos Olímpicos podem também tornar-se num fórum internacional onde a crescente presença e ambição dos grupos religiosos pode ser também exposta ao mundo. E isto porque contrariamente ao que podia supor-se, de acordo com uma pesquisa de 2006 levada a cabo pela Pew Global Attitudes Project, 31% dos chineses considera a religião como muito importante nas suas vidas. Entre todos os inquiridos, somente 11% disseram que a religião não tem qualquer importância para eles. A surpresa destes números reside no facto de espelharem uma realidade que poderia não coincidir com a imagem de um país secularista e de filosofia ateísta, desde há praticamente seis décadas. Ainda de acordo com a mesma fonte, as principais correntes religiosas trazidas de fora com expressão na China são o budismo, o cristianismo (protestantismo e catolicismo) e o Islão.

 

O budismo representa entre 11% e 16% da população.

 

No cristianismo, protestantes e católicos valem, juntos, 4% da população e, de acordo com os números adiantados pelo governo chinês, o número de cristãos aumentou de 14 milhões para 21 milhões – 50% – em menos de 10 anos. Mas os números e crescimento entre protestantes e católicos são diferenciados: durante esse período, os protestantes aumentaram de 10 milhões para 16 milhões – um aumento de 60% – e os católicos de 4 milhões para 5 milhões – um aumento de 25%. Diga-se ainda que o número de cristãos protestantes cresceu 20 vezes desde que chegou à China no século XIX. E isto sem mencionar os milhares de grupos que se reúnem em casas sem o reconhecimento oficial e aprovação do Estado…

 

Já o islão representa somente 1,5% da população chinesa.

 

É interessante ver agora se o comunismo chinês se adaptará às forças do mercado religioso, tal como parece estar a ajustar-se às forças do mercado económico.

Luís Seabra Melancia
(Docente na Lic. em Ciência das Religiões=
Publicado por Re-ligare às 00:13
Link do post | Comentar | Favorito

.Mais sobre Ciência das Religiões

.Pesquisar

.Posts recentes

. Ψυχή, Psychē e Fado

. A PRESENÇA AUSENTE (três)...

. A CULTURA QUE NOS REDEFIN...

. Música e Emoções - Romant...

. Biomusicologia – Definiçã...

. Natal, naTAO

. Encontro com Manuel Frias...

.Arquivos

.tags

. todas as tags

.Links

.Links

blogs SAPO

.subscrever feeds