Sexta-feira, 16 de Maio de 2008

OS NOSSOS IRMÃOS EXTRATERRESTRES

 

Gabriel Funes, um padre jesuíta de 45 anos de idade, responsável pelo Observatório do Vaticano e conselheiro científico de Bento XVI, disse esta semana que, com um universo tão vasto e um Deus tão criador, não podemos excluir a hipótese de termos «irmãos extraterrestres». Disse mesmo que a raça humana pode ser a «ovelha perdida» do universo.

 
O astrónomo diz ainda que a teoria do «big bang» é a hipótese mais provável para a formação do universo.
 
Grandes progressos...veremos, todavia, se estas afirmações são para manter.
 
Luís Seabra Melancia
Docente na Lic. de Ciência das Religiões
 
Publicado por Re-ligare às 03:29
Link do post | Comentar | Favorito
4 comentários:
De SAM a 18 de Maio de 2008 às 14:35
Não sei se o texto pretendia criticar ou elogiar a posição da pessoa em causa, mas parece-me altamente lógico esse raciocínio: se é tão grande e vasto, as probabilidades de haver outras formas de vida são elevadas. Desde pequeno sempre pense que seria demasiado (ainda mais) arrogância da nossa parte (nós humanos) em dizer que somos os únicos do universo...

Aproveito, por isso, compartilhar um pequeno trecho das Escrituras Bahá'ís sobre o tema:
"Sabe tu, que cada estrela fixa tem seus próprios planetas, e cada planeta, suas próprias criaturas, cujo número homem algum pode computar". (Seleção dos Escritos de Bahá'u'lláh).

Gostaria de saber se outras religiões possuem alguma coisa sobre o tema. Até hoje apenas encontrei isso...

De Luís Melancia a 19 de Maio de 2008 às 20:03
Olá, obrigado pelo seu comentário. O texto em apreço não pretende apoiar nem atacar a conclusão do padre citado. A opinião dele é uma questão de...fé! Assim como é uma questão de fé aceitar esse pequeno trecho das Escrituras Bahá'is. E digo que é uma questão de fé porque ainda não foi cientificamente confirmada a existência de «irmãos extraterrestres».

E penso que como os livros sagrados não têm a função de serem manuais científicos, devemos deixá-los cumprir outras tarefas bem mais necessárias. É que a legitimidade de um livro sagrado não depende da sua precisão científica...

Obrigado, uma vez mais, pelo seu precioso comentário.
LM
De SAM a 29 de Maio de 2008 às 13:22
Os livros sagrados não são manuais técnicos! A essa afirmação nada se pode apontar.

Mas, a curiosidade remanesce. E, de facto, parece-me um estudo que poderia ser curioso. Qual o ponto de vista das religiões sobre a existência destes ditos "irmãos extraterrestres"?

Agradeço-lhe a resposta anterior.
De Teotonio R. de Souza a 25 de Maio de 2008 às 22:02
Caro LM
Apareceu-me na busca online o seguinte site. Não sei se é verdade ou anedótico. Mas faz pensar.
http://astronomiahoje.blogspot.com/2007/07/cincia-x-religio.html

Comentar post

.Mais sobre Ciência das Religiões

.Pesquisar

.Posts recentes

. Ψυχή, Psychē e Fado

. A PRESENÇA AUSENTE (três)...

. A CULTURA QUE NOS REDEFIN...

. Música e Emoções - Romant...

. Biomusicologia – Definiçã...

. Natal, naTAO

. Encontro com Manuel Frias...

.Arquivos

.tags

. todas as tags

.Links

.Links

blogs SAPO

.subscrever feeds