Terça-feira, 25 de Agosto de 2009

A continuidade dos símbolos

Todos sabemos que os símbolos são das realidades que mais longamente acompanham a cultura. Na Turquia, no seu próprio símbolo principal, nacional, podemos ter um desses exemplos.

                         

A actual bandeira, com um crescente e uma estrela em fundo vermelho, retoma os principais elementos tradicionais islâmicos, assim como muitas tradições antigas da região.

              

(foto de Paulo Mendes Pinto, Setembro de 2007)

                

            

De forma mais clara, podemos ver estes mesmo símbolos no brazão de armas (não oficial, mas usado genericamente em todas as instituições:

                  

                            

                        

                    

O que é interessante, quando falamos de tradições na chamada Longa Duração, é verificar que estes mesmos símbolos viajam milhares de anos com muito poucas alterações:

                    

Baixo-relevo Neo-hitita, com cerca de 3 milhares de anos. Museu das Civilizações, Ankara.

(foto de Paulo Mendes Pinto, Setembro de 2007)

                     

                    

                           

Sarcófago da época romana, com cerca de 1800 anos, da antiga Hierápolis, actual Pamukkale (Castelo de Algodão).

(foto de Paulo Mendes Pinto, Setembro de 2007)

                            

Paulo Mendes Pinto

Dir. de Ciência das Religiões (1º e 2º Ciclos)

 

 

Publicado por Re-ligare às 00:08
Link do post | Comentar | Favorito

.Mais sobre Ciência das Religiões

.Pesquisar

.Posts recentes

. Ψυχή, Psychē e Fado

. A PRESENÇA AUSENTE (três)...

. A CULTURA QUE NOS REDEFIN...

. Música e Emoções - Romant...

. Biomusicologia – Definiçã...

. Natal, naTAO

. Encontro com Manuel Frias...

.Arquivos

.tags

. todas as tags

.Links

.Links

blogs SAPO

.subscrever feeds