Quarta-feira, 21 de Outubro de 2009

Mau costume

 

Se a religião tem o dever de questionar a sociedade, a sociedade tem o direito de questionar a religião. Embora com os genes do preconceito, o Nobel português da literatura já revelou interessantes reflexões sobre a natureza do ser humano, também enquanto ser religioso, manipulável e susceptível.
 
Saramago não consegue evitar o conflito. Na descrença em Deus, entre um ateísmo crítico e a obsessão ateísta, constrói a narrativa da (des)crença no homem, com vícios e virtudes, más e boas condutas. Marcado pelo estigma, alicerçado na mais básica das reflexões filosóficas… O homem tem, em princípio, uma natureza má.
 
Dizer que a "Bíblia é um manual de maus costumes, um catálogo de crueldade e do pior da natureza humana", é um passo de enorme responsabilidade.
A Bíblia não é um documento de hoje, embora interpele o hoje, que foi ontem e será amanhã. Nem os autores são candidatos a qualquer prémio literário. Nasceu na tradição oral, onde a noção de realidade se dilui.
 
É um conjunto de livros marcados pelo tempo, por cada tempo, com múltiplos géneros literários, escritos por homens, nos seus contextos e circunstâncias, entre mitos, com a pretensão de justificar o injustificável, provar o improvável, legitimar poderes e profecias. A fé dá apenas um enquadramento.
 
Não é só um documento religioso. Da ciência à filosofia, é um documento da humanidade. Não sendo um livro de história, é um repositório de histórias e dilemas, objecto de estudo. Relata experiências datadas, não necessariamente factos, que moldaram a(s) sociedade(s).
 
A Bíblia é um livro de "maus costumes", mas também de bons costumes. Um "catálogo de crueldade", mas também de sensibilidade e generosidade. Céptica, mostra o "pior da natureza humana". Utópica, revela confiança para lá da lógica humana e capacidade de perdão sem limites.
 
A Bíblia pode ser lida como um tratado de violência, mas também como um tratado de não-violência. Tem histórias de guerra e de paz. Adão e Eva. De traições e fidelidades. Caim e Abel. Dramas e alegrias. Paixões e desilusões. Sansão e Dalila. Alentos e desalentos, da metáfora erótica de Cântico dos Cânticos ao suplício de Job. Ameaças e bem aventuranças. David e Golias. Desespero e esperança, do Egipto à "Terra Prometida". O ferro nas mãos e o fogo nas palavras. Jesus e Barrabás. Intolerância e confiança. Da Sabedoria a Eclesiastes, "tudo tem o seu tempo" e há um tempo para tudo. Para a Vida e para a Morte.
 
Reduzir a Bíblia a meia dúzia de frases marcadas pelo preconceito religioso é uma desonestidade. Outros pensadores – que não chegam aos calcanhares do Nobel português –, noutros cenários religiosos, já fizeram o mesmo exercício de liberdade. Dizer que a Bíblia "é um manual de maus costumes" é um mau costume, mas uma boa estratégia de vendas.
 
NOTA: Entre a procura da fé e a exegese pura, sugiro a leitura de “O que é a Bíblia?”, de Carreira das Neves, ou “Roteiro de leitura da Bíblia”, de Fernando Ventura. Para desmontar algumas teias…

           

 

Joaquim Franco

(SIC online)

Publicado por Re-ligare às 20:21
Link do post | Comentar | Favorito
1 comentário:
De Ideberto Bonani a 22 de Outubro de 2009 às 14:08
A lógica da fé pode ser definida sintéticamente nesses parâmetros: " Para a fé, aquilo que é concreto torna-se abstrato e aquilo que é abstrato torna-se concreto!
Ela expõem o "Sara- Amargo" e também o Sara-Âmago!
Pensem nisso...

Comentar post

.Mais sobre Ciência das Religiões

.Pesquisar

.Posts recentes

. Ψυχή, Psychē e Fado

. A PRESENÇA AUSENTE (três)...

. A CULTURA QUE NOS REDEFIN...

. Música e Emoções - Romant...

. Biomusicologia – Definiçã...

. Natal, naTAO

. Encontro com Manuel Frias...

.Arquivos

.tags

. todas as tags

.Links

.Links

blogs SAPO

.subscrever feeds