Terça-feira, 4 de Setembro de 2007

Mais uma alemã em Cabul

O episódio teve um final feliz: os sequestradores foram presos e a mulher libertada. Ao que tudo indica, o móbil do crime terá sido diferente daquele que vitimou um pastor protestante coreano, um mês antes, também no Afeganistão. Mas esta cidadã alemã, alegadamente pertencente a uma organização de solidariedade cristã protestante, com filiais em outros países incluindo Portugal e que foi sequestrada em Cabul, a 18 de Agosto, não deve ter ganho para o susto!
 
Ainda assim, há duas coisas a considerar:
  
- Primeiro, há que rever esse aventureirismo, esse voluntarismo cristão, intrusivo, invasivo e invasor, que tem a mania que há-de converter o mundo à sua maneira. O cristianismo, o verdadeiro, o de Cristo, é um convite, uma proposta. Já Gandhi se queixava que os cristãos deveriam mudar a fórmula: em vez de ir e ensinar a todas as nações, deveriam antes ir e aprender com todas as nações. E aborrece-me esse clima de «cruzada suave», que continua a enviar missionários, tipo «carne para canhão», como que para gerar mártires à força... Estes missionários tornam-se, afinal, os «homens-bomba» do cristianismo!!! É verdade que não matam...mas, tal como os outros, entregam-se à morte. E sabemos que o sangue derramado  tem uma força atroz... (aliás, por falar em sangue derramado, já notava Freud que a diferença entre o cristianismo e o islão, é que aquele tem a profundidade que resulta do suposto assassinato do pai, do fundador, enquanto que o islão não matou Maomé; o que nos levaria por outros terrenos muito interessantes...).
 
- Mas por outro lado, aborrece-me também a complacência, a tolerância, o branqueamento de que o islão continua a beneficiar, principalmente por parte do hemisfério esquerdo da política ocidental. Como se o islão não fosse a ideologia da matança, da autofagia, do totalitarismo e da pobreza! Temos um dever ético, um imperativo moral de denunciar e reprovar uma ideologia religiosa que gera ditadores quando estão no governo e terroristas quando estão na oposição.
 
O pior de tudo isto, bem sei, é que temos de acrescentar a este quadro, pintado a preto e branco, os cinzentos dos diferentes interesses e equilíbrios de geometria variável que as relações internacionais exigem...
            
Luís Melancia
Investigador do Centro de Estudos em Ciência das Religiões
Publicado por Re-ligare às 17:26
Link do post | Comentar | Favorito
3 comentários:
De Re-ligare a 5 de Setembro de 2007 às 14:10
O que me espanta, mais do que a filosofia me desperta, e apenas como cidadão que me considero, é este extraordinário texto de Luís Melancia, que teve a gentilesa como a coragem de desvelar tão lucidamente, os desvios do cristianismo forçado pela história dos homens e pelos mesmos homens, que outrora sacrificaram o Mestre; de expor tão clara e simplesmente com a humildade de um verdadeiro cristão (cidadão do mundo), que quem segue o Mestre se descobre nos outros com a humildade de que nada sabe sobre o mundo, sobre a alma, sobe a criação. O mistéria da vida, é isso mesmo, um mistério, que só pode ser intuido e vivo em humildade. Bem vindo Luís Melancia entre nós.

José Carlos Calazans
Ciência das Religiões (Univ. Lusófona)
De Re-ligare a 5 de Setembro de 2007 às 17:03
O interessante de equacionar, visto um importante objectivo ser o da paz, é o limite da "intromissão" num outro campo religioso. Até onde, um crente, deve imaginar poder levar a sua mensagem?

Por mim, nos tempos que correm, o natural seria a fuga total a qualquer iniciativa que procurasse colocar o "outro" em cheque - nada mais humilhante, religiosamente falando, que vir alguém de fora a presentar uma outra fé como a Verdadeira, disso temos que ter a certeza.

E isto é importante porque tem a ver com todos nós. As más disposições que no Islão se criam por causa da missionação pode tocar em atentados contra qualquer um de nós.

Como - e se se deve - minorar os eventuais estragos que daqui advenham?

Paulo Mendes Pinto
Ciência das Religiões
De vera lucia a 18 de Outubro de 2007 às 21:27
Sabe, para alguém que crê que o Universo foi criado por Deus... para alguém que crê que Deus deu seu único filho para salvar-nos, para quem sabe que quem "cria" gera "regras", adota a Bíblia como a Verdade. Para quem conhece a Bíblia sabe o quanto ela é atual. Jesus, ressuscitou ao3° dia, portanto é VIVO e o único Santo. (único sem restos na sua campa). Caminhar com Jesus, "seguir" a palavra de Deus, mesmo sendo pecadores, é diferente de "ouvir falar". Só que esvaziar-se de si, para ser cheio de Deus, esvaziar-se do "eu", para agradecer os momentos alegres e tristes tb, pq temos que ter a fé no Senhor, ser humilde, exercer perdão, misericordia, etc. é um preço que poucos dizem não acreditar para não ter que caminhar.
Deus é o Criador, portanto só a Ele devemos adorar
Ajoelhar-se diantes de homens, de imagens feitas por homens, crer em deuses criados pela imaginação de homens, etc. para mim é a verdadeira loucura.
Não há o que impor! Não creio nisso. Deus escolhe as pessoas.A palavra de Deus, os testemunhos de quem viveu, as graças, o amor de Deus, devem ser levadas a quem quiser ouvir. Deus já dizia que se não quiserem ouvir, recolham a palavra e levem para quem a quizerem.
Jesus vive!

Comentar post

.Mais sobre Ciência das Religiões

.Pesquisar

.Posts recentes

. Ψυχή, Psychē e Fado

. A PRESENÇA AUSENTE (três)...

. A CULTURA QUE NOS REDEFIN...

. Música e Emoções - Romant...

. Biomusicologia – Definiçã...

. Natal, naTAO

. Encontro com Manuel Frias...

.Arquivos

.tags

. todas as tags

.Links

.Links

blogs SAPO

.subscrever feeds