Segunda-feira, 5 de Maio de 2014

“A avó”. Ensaio humorístico sobre temas sérios.

O ensaio que hoje me proponho aqui apresentar, não sendo filosófico na forma, sê-lo-á, em certa medida, no conteúdo ou pelo menos, na natureza.

Tudo se passou quando eu comecei a dar a entender à minha avó (alentejana, católica, de 82 anos) que eu andava a aprender a praticar Salat (oração ou, mais propriamente “ligação”), junto da comunidade islâmica de Lisboa. Ou seja, segundo a minha avó, a “rezar aquela oração do cú pró ar”. Atenção que estas foram as palavras da minha avó, longe de mim querer denegrir o Salat. Quero expor apenas as ideias feitas sobre as coisas, coisas que, sobretudo em matéria de Religião, vão bem para além das ideias que delas se fazem.

 

Então a minha avó perguntou-me: “Porquê que rezas com esses do Islão? Tu gostas disso? Isso não são aqueles que andam sempre a matar gente? Aqueles que andam sempre em guerra?”

 

Deus é Paz e a Paz vem dele, e que a Paz esteja sobre Gabriel!”

Alcorão I.H. 156

 

Este é o preconceito nº1, o de que os muçulmanos são violentos terroristas, que temos que saber parar, porque é falso. E porque no senso comum, esta ideia circula de forma dogmática e epidémica.

A minha avó não ficou muito preocupada. Infelizmente, as facções violentas da sociedade não se deixam serenar tão facilmente e andam ao gosto destas imagens, destas ideias feitas sobre as coisas.

 

Agora podemos ver um pouco o preconceito nº2. E esse sobre estes dois que nos empenharemos doravante a trabalhar com vista a decompô-los, desenleá-los, desincrustá-los, ameniza-los desfazê-los.

 

Se o Islão fosse machista e se o Islão tratasse mal as mulheres, então como explicar que o Islão faça as muçulmanas tão belas? (“Deus é bonito e ama a beleza” palavras do Profeta, que a paz esteja com ele). Os gestos calmos nos dedos finos, as entoações que são harmonias, a vida reluzente no resguardado olhar e alegria da convivência entre elas, lá no mundo delas. Por favor… “eduquemos” o nosso próprio olhar.

Depois a minha avó foi rezar o terço e eu fui estudar árabe, em salas separadas.

 

 

 Francisco Ferro

 


 

 

 

 

 

 

 

Publicado por Re-ligare às 16:19
Link do post | Comentar | Favorito

.Mais sobre Ciência das Religiões

.Pesquisar

.Posts recentes

. Ψυχή, Psychē e Fado

. A PRESENÇA AUSENTE (três)...

. A CULTURA QUE NOS REDEFIN...

. Música e Emoções - Romant...

. Biomusicologia – Definiçã...

. Natal, naTAO

. Encontro com Manuel Frias...

.Arquivos

.tags

. todas as tags

.Links

.Links

blogs SAPO

.subscrever feeds